Nenhuma adesão rápida à OTAN para a Ucrânia — RT EN

30 de setembro 2022 18h46

A conferência de imprensa de hoje do secretário-geral da OTAN Jens Stoltenberg foi um evento raro, pois não foi planejado. Ainda assim, consistia em grande parte de repetições. Isso também se aplica à declaração sobre a admissão da Ucrânia: não há procedimento acelerado.

As expectativas, a curto prazo, conferência de imprensa Receber notícias reais do secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, foi decepcionante. Stoltenberg repetiu as posições já conhecidas.

Em relação à adesão da Ucrânia à OTAN, que o presidente ucraniano, Vladimir Zelenskiy, pediu hoje em um “procedimento urgente”, salientou que uma decisão nesse sentido deverá ser tomada por unanimidade pelos 30 países membros.

A Ucrânia continuará a ser apoiada porque o preço de uma vitória de “Putin” é ainda mais alto do que o do apoio. “Se a Rússia parar de lutar, haverá paz. Se a Ucrânia parar de lutar, não haverá Ucrânia.”

Representantes da imprensa perguntaram várias vezes se a Ucrânia agora seria aconselhada a agir com moderação. Stoltenberg rejeitou isso. A Ucrânia tem o direito de retomar o território ucraniano. Portanto, a OTAN não aconselhará a Ucrânia a interromper os ataques. A “anexação” de hoje não muda a natureza do conflito.

Stoltenberg enfatizou particularmente a “retórica perigosa e implacável” que ele estava convencido de vir da Rússia. Se a Rússia usar armas nucleares na Ucrânia, terá “consequências muito perigosas”.

Em relação aos ataques ao Nord Stream 2, ele disse que conversou com o chanceler Olaf Scholz. “Já lidamos com essa sabotagem, é muito grave. Apoiamos o esforço investigativo para desvendar os fatos.” Ao mesmo tempo, a OTAN protegerá melhor a infraestrutura crítica.

“Apoiamos a Ucrânia, não fazemos parte do conflito”, disse ele, acrescentando que a Otan está impedindo uma escalada enviando mensagens claras a Moscou.

Mais sobre o assunto – Vladimir Zelenskij: Hoje, a Ucrânia está solicitando urgentemente a adesão à OTAN

Ao bloquear a RT, a UE pretende silenciar uma fonte de informação crítica e não pró-ocidental. E não apenas em relação à guerra na Ucrânia. O acesso ao nosso site foi dificultado, várias redes sociais bloquearam nossas contas. Agora cabe a todos nós se o jornalismo além das narrativas convencionais pode continuar a ser praticado na Alemanha e na UE. Se você gosta de nossos artigos, sinta-se à vontade para compartilhá-los onde quer que esteja ativo. É possível porque a UE não proibiu nosso trabalho ou a leitura e compartilhamento de nossos artigos. Nota: No entanto, com a alteração do “Audiovisual Media Service Act” em 13 de abril, a Áustria introduziu uma alteração a este respeito, que também pode afetar os particulares. É por isso que pedimos que você não compartilhe nossas postagens nas mídias sociais na Áustria até que a situação seja esclarecida.



Source link