força ou fraqueza? O que poderia fazer a ameaça renovada de sanções dos EUA contra a Venezuela? — RT DE

27 de setembro 2022 06:00

Uma análise de Ociel Alí López

Durante uma aparição perante o Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA, o subsecretário de Estado para a América Latina, Brian Nichols, emitiu novas ameaças de sanções contra a Venezuela.

“Nicolás Maduro está cometendo um grave erro se pensa que nossa paciência é infinita e que adiar as táticas lhe fará bem. Estamos preparados para responder com sanções e medidas abrangentes”, disse Nichols com sua habitual arrogância durante seu discurso.

A reviravolta renovada dos EUA em relação à Venezuela

A reviravolta deixa claro que Washington não tem uma visão de longo prazo para a América Latina. O presidente Biden improvisa, calculando suas chances nas eleições de meio de mandato de 8 de novembro que decidirão a nova composição do Senado. Os votos dos reacionários latino-americanos exilados na Flórida têm muito peso.

Nos últimos meses, autoridades dos EUA visitaram duas vezes o presidente Nicolás Maduro em sua sede do governo em Caracas. Foram semanas de corrida para encontrar suprimentos de energia devido à guerra na Ucrânia. A Venezuela recentemente se ofereceu para enviar seu petróleo aos países ocidentais para manter o “equilíbrio internacional”.

Fim do degelo entre Venezuela e EUA

Mas agora Washington não pode pensar em nada melhor do que entrar na naftalina do repertório autoritário com o qual tem praticado uma política estéril em relação aos seus vizinhos na América do Sul por décadas. Intervenções militares, tentativas de golpe, sanções, apropriação de recursos valiosos…

A Casa Branca pede hoje ao governo de Maduro que retome o diálogo com a oposição: “Estamos prontos para mudar nossa política de sanções se as negociações progredirem e o regime de Maduro tomar medidas concretas”, disse Nichols.

Liberação de Alex Saab como condição para negociações

Ele esqueceu que as negociações do México 2021 foram interrompidas após o progresso inicial quando o governo dos EUA capturou Alex Saab, um aliado de Maduro? Que sua libertação se tornou um pré-requisito para que o governo venezuelano retome o diálogo?

Além de quão catastróficas são as sanções, especialmente em termos de vida e saúde do povo venezuelano, é preciso perguntar que chance eles têm hoje de alcançar os objetivos perseguidos por Washington: a renúncia do governo e a entrega do poder a Juan Guaidó, que no entanto, só é popular em Washington. Um cenário saído diretamente de um livro ilustrado da CIA.

O governo de Maduro está firmemente na sela

Mas hoje o governo venezuelano está mais firme no comando do que nunca, tendo resistido a ataques econômicos, políticos e até militares. A oposição desgastada sob a figura agora insignificante de Juan Guaidó está inseparavelmente associada a ela pela população. Hoje ela luta por sua sobrevivência política e busca um novo perfil para fazer as pessoas esquecerem suas antigas ações terroristas de extrema-direita nas ruas de Caracas. Diz-se que ela até pediu a Washington que mudasse a política em relação à Venezuela. Mas Washington, como sempre, está dificultando as coisas para ela com essas novas ameaças.

Sanções dos EUA até o momento

Os pacotes de sanções norte-americanos – um bloqueio de grande parte das ligações comerciais e financeiras com países estrangeiros – atingiram duramente a economia venezuelana. Isso inclui sanções diretas contra a indústria do petróleo, incluindo peças de reposição, o confisco de ouro venezuelano ou refinarias e postos de gasolina nos EUA. Sem mencionar perseguir funcionários do governo a ponto de colocar milhões de dólares em recompensas por altos funcionários, incluindo o presidente. Washington tentou de tudo contra a Venezuela, mas sem sucesso.

Agências internacionais previram o maior crescimento na região para a Venezuela nos últimos meses – um boom devido ao aumento da demanda pelas reservas de petróleo da Venezuela. Washington agora quer – e pode – impedir esse desenvolvimento novamente com mais sanções?

Washington impedirá novamente uma recuperação na indústria petrolífera da Venezuela?

Embora Maduro ainda esteja na presidência e não veja mais seu rival Juan Guaidó como um risco, as sanções tiveram um grande impacto no coração da economia nacional: a indústria do petróleo. Nem sequer recuperou um quarto da sua produção histórica. De acordo com os últimos dados da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a produção de petróleo venezuelana é de cerca de 723.000 barris por dia, enquanto o maior valor histórico de produção foi de quase três milhões de barris por dia.

As sanções causaram principalmente empobrecimento da população e aumento da migração, que nos primeiros anos se concentrou nos países vizinhos. Mas agora chegou à fronteira sul dos EUA, o que aumenta o atrito interno por causa da imigração ilegal.

Migração venezuelana vai para os EUA

Se os EUA realmente implementarem mais pacotes de sanções contra a Venezuela, isso aumentará principalmente a migração do norte faminto. E na política não há coincidências.

Muito provavelmente, a questão das ondas migratórias e a crescente crise econômica e financeira que Biden está enfrentando desempenharão um papel importante na campanha nas eleições de meio de mandato deste ano e nas eleições presidenciais de 2024.

Enquanto o subsecretário Nichols tirava a poeira das ameaças de sanções perante o Senado, o governador do Texas, Greg Abbott, despachou dois ônibus transportando imigrantes, a maioria deles venezuelanos, para a residência oficial da vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, em uma crítica dura à política de “fronteiras abertas” do país. Joe Biden.

Não há suporte para sanções na América do Sul

Além disso, o continente sul-americano mudou muito desde a política agressiva de Donald Trump na Venezuela.

O Grupo Lima não existe mais, morreu. Era crucial que Washington pudesse manter uma política ameaçadora de intervenção em relação à Venezuela por muitos anos. Os governos do Peru, Argentina, Chile e México, que apoiaram politicamente o cerco à Venezuela, mudaram. Hoje eles se dedicam a outras preocupações e lidam com a Venezuela de forma diferente. Uma mudança fundamental também ocorrerá no Brasil dentro de algumas semanas.

Novos governos com sinais alterados

A maioria dos países com governos anteriormente conservadores mudou sua postura política e agora tem presidentes de esquerda ou pelo menos progressistas. Uma política de sanções renovada dos EUA não tem o mínimo de aliados regionais para aplicá-la.

A vitória do presidente Gustavo Petro na Colômbia também significa que os EUA perderam sua “cabeça de ponte” na região latino-americana. Durante o mandato de Iván Duque, a Colômbia foi o principal adversário de Maduro.

O presidente Petro, por outro lado, não apenas reconhece Maduro como o presidente legítimo da Venezuela, mas até o considera oficialmente um interlocutor válido em questões tão importantes quanto alcançar a chamada “paz total” e retomar as negociações com o Exército de Libertação Nacional ( EL). Há um rápido progresso na normalização das relações entre Colômbia e Venezuela.

Ao lado de tudo isso, o outro grande aliado dos Estados Unidos, a União Européia, tem outras preocupações hoje e está mais tentando restabelecer os laços petrolíferos com a Venezuela.

tradução do Espanhol.

Mais sobre o assunto – O novo presidente da Colômbia, Gustavo Petro, quer normalizar as relações com a Venezuela

RT DE se esforça para uma ampla gama de opiniões. Guest posts e artigos de opinião não precisam refletir o ponto de vista do editor.

Ao bloquear a RT, a UE pretende silenciar uma fonte de informação crítica e não pró-ocidental. E não apenas em relação à guerra na Ucrânia. O acesso ao nosso site foi dificultado, várias redes sociais bloquearam nossas contas. Agora cabe a todos nós se o jornalismo além das narrativas convencionais pode continuar a ser praticado na Alemanha e na UE. Se você gosta de nossos artigos, sinta-se à vontade para compartilhá-los onde quer que esteja ativo. É possível porque a UE não proibiu nosso trabalho ou a leitura e compartilhamento de nossos artigos. Nota: No entanto, com a alteração do “Audiovisual Media Service Act” em 13 de abril, a Áustria introduziu uma alteração a este respeito, que também pode afetar os particulares. É por isso que pedimos que você não compartilhe nossas postagens nas mídias sociais na Áustria até que a situação seja esclarecida.



Source link