Disputa sobre a política de refugiados: Erdoğan critica a Grécia por represálias ilegais

Na disputa em curso sobre as ilhas gregas no leste do Mar Egeu, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan acusou a Grécia de “retrocessos ilegais e descarados” em relação ao tratamento de refugiados. A Grécia está transformando o Egeu em um “cemitério de refugiados”, disse Erdoğan à Assembleia Geral da ONU em Nova York. O chefe de Estado turco também apresentou fotos de crianças refugiadas supostamente mortas nas represálias à Assembleia Geral em Nova York como evidência de repressão.

O ministro das Relações Exteriores da Grécia, Nikos Dendias, reagiu prontamente: “As omissões da Turquia vão além do alcance da razão humana”, disse ele. “Ancara está usando fatos falsos que foram refutados por dez dias”, rebateu Dendias. A própria Turquia está instrumentalizando os migrantes.

As relações entre a Turquia e a Grécia chegaram ao fundo do poço. A Turquia está questionando a soberania da Grécia sobre as ilhas do Mar Egeu no contexto do estacionamento de militares em violação do direito internacional. A escalada mais recente é principalmente sobre a presença militar grega nas ilhas do Egeu Oriental, algumas das quais estão a apenas alguns quilômetros da costa turca. Referindo-se ao Tratado de Lausanne de 1923, Ancara há muito pede sua desmilitarização. No entanto, a Grécia já começou a construir militarmente as ilhas gregas no leste do mar Egeu. Foi apenas em 2020 que os dois estados estiveram à beira de um conflito militar. Agora existe o risco de uma nova escalada porque a Turquia está novamente procurando gás no Mar Egeu.

Em Nova York, Erdoğan voltou a defender a ação militar muito criticada das forças turcas no norte do Iraque e no norte da Síria. Ele alegou que seu país estava lutando contra “terroristas” lá. Erdoğan está flertando com uma quarta invasão do exército turco na Síria há algum tempo. Por sua vez, o estado da Síria considera as ações turcas como uma violação da soberania síria.

Mais sobre o assunto – Turquia: Grécia “deliberadamente” viola o Tratado de Lausanne



Source link