Ucrânia quer importar GNL dos EUA — RT EN

Kyiv está atualmente negociando com Washington a possibilidade de importar gás liquefeito dos EUA. Segundo o chefe da gigante estatal de energia Naftogaz, isso deve substituir o gás de gasoduto que o país importa da UE no longo prazo.

A Ucrânia está em negociações com os Estados Unidos para comprar gás natural liquefeito (GNL) em vez do gás de gasoduto que o país compra atualmente de países da UE. O anúncio foi feito pelo CEO da empresa de gás ucraniana Naftogaz Yuriy Vitrenko na terça-feira.

Kyiv atualmente compra gás de países da UE, que compram o gás da Rússia e depois o revendem para Kyiv.

Vitrenko disse à Bloomberg TV:

“Nós precisaríamos importar até US$ 8 bilhões em gás para a próxima temporada de aquecimento. E é exatamente isso que estamos discutindo aqui nos Estados Unidos, que está financiando o GNL dos EUA, que é o gás de gasoduto que pode substituir o que tradicionalmente comprado na Europa.”

O chefe da Naftogaz apontou que em 2015 a Ucrânia parou de comprar gás russo diretamente e, em vez disso, aumentou as importações de seus vizinhos ocidentais. Ele explicou:

“Como estamos comprometidos com um embargo total ao gás russo, acreditamos que o GNL dos EUA é a melhor alternativa que procuramos comprar no momento”.

“No nosso caso, o GNL dos EUA pode cobrir todas as nossas necessidades de importação. Se olharmos para a situação na Europa como um todo, ele não pode substituir os suprimentos da Rússia no curto prazo.”

De acordo com a operadora de transporte de gás ucraniana, o consumo de gás natural do país no ano passado foi de 26,8 bilhões de metros cúbicos. O número foi quase o dobro da produção nacional de gás, que foi de 13,67 bilhões de metros cúbicos, segundo dados da Naftogaz.

Mais sobre o assunto – Aumento dos custos de energia: os postes podem coletar madeira para aquecimento

Ao bloquear a RT, a UE pretende silenciar uma fonte de informação crítica e não pró-ocidental. E não apenas em relação à guerra na Ucrânia. O acesso ao nosso site foi dificultado, várias redes sociais bloquearam nossas contas. Agora cabe a todos nós se o jornalismo além das narrativas convencionais pode continuar a ser praticado na Alemanha e na UE. Se você gosta de nossos artigos, sinta-se à vontade para compartilhá-los onde quer que esteja ativo. É possível porque a UE não proibiu nosso trabalho ou a leitura e compartilhamento de nossos artigos. Nota: No entanto, com a alteração do “Audiovisual Media Service Act” em 13 de abril, a Áustria introduziu uma alteração a este respeito, que também pode afetar os particulares. É por isso que pedimos que você não compartilhe nossas postagens nas mídias sociais na Áustria até que a situação seja esclarecida.



Source link